Barreiro News

Pix ainda não emplaca entre clientes e comerciantes na Black Friday do Barreiro

O sistema rápido de transferência de dinheiro começou a operar de forma plena no último dia 16. Para o BC os primeiros dias de operação foram um sucesso. Especialista explica que o sistema é seguro e aos poucos os brasileiros vão se acostumar, mas alerta, que assim como no uso dos dados pessoais em geral, é preciso ficar atento para não cair em golpes.

Por Fabiano Frade
Siga no Instagram: @barreironewsuai
Twitter: @barreironewsuai
Facebook: facebook.com/barreironews

Que o mineiro é desconfiado a gente sabe, mas quando o assunto é dinheiro parece que a situação é ainda mais complexa. Desde o último dia 16 está em vigor um novo jeito de pagamento com a transferência instantânea de quantias. É o PIX, sistema de pagamento instantâneo. Em uma loja de roupas femininas na Avenida Sinfrônio Brochado ainda não foi feito o cadastro das chaves. A gerente do estabelecimento, Daniela Luciano, 34 anos, explicou que os proprietários decidiram por não utilizar o PIX por enquanto. Já em uma loja de móveis na avenida Visconde de Ibituruna, o PIX já está sendo utilizado desde o início, mas apenas quatro vendas foram feitas pelo novo sistema. “Já teve cliente que iria pagar pelo PIX, mas desistiu com medo de dar errado”, explica Daniel Vilela, 23, gerente da loja.

A Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL-BH) não tem um levantamento de quantas lojas já aderiram ao sistema em Belo Horizonte, já que esses dados são do Banco Central. A instituição fez um balanço na última terça-feira (24), da primeira semana do PIX. Até o último domingo (22) 83,490 milhões de chaves de clientes foram cadastradas, sendo 79,8 mi de pessoas físicas e 3,7 mi de empresas. Como um usuário pode registrar mais de uma chave por conta, o número real de usuários no Pix é de 34,5 milhões de pessoas e 2,2 milhões de firmas com pelo menos uma chave cadastrada no sistema. Entre os dias 16 e 22 deste mês, o volume de operações chegou a 12,2 milhões, com o valor financeiro de R$ 9,3 bilhões.

Em entrevista coletiva transmitida pela internet, o chefe do Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro do Banco Central, Ângelo Duarte, avaliou o início da operação de forma bastante positiva, mas apontou que algumas empresas tiveram atropelos. “Algumas instituições financeiras tiveram problemas momentâneos e precisaram diminuir o ritmo das transações ou fazer desconexões”, destacou.

Na entrevista, Duarte lembrou que as pessoas, aos poucos vão ganhando confiança e vão começar a fazer transações de maior valor. Túlio Lannini, CEO da U4crypto, especialista em tecnologia da informação, também acredita que com o tempo o Pix vai conquistar os brasileiros. “Estamos somente nos primeiros dias, em um curto espaço de tempo o hábito das operações fluirá normalmente como já acontece com outros serviços bancários, porém em um formato mais fácil de utilizar; mais rápido, mais seguro e mais barato.”, reforça.

Foto Marcello Casal Jr Agência Brasil

Na prática, o Pix vai muito além de transferência financeira, como acontece com a TED.  Lannini destaca que a agilidade nas transações e os diversos tipos de recursos farão com que seja inevitável a utilização do sistema que ainda se apresenta como seguro.   “O Banco Central aposta em um modelo que visa não só a agilidade e praticidade, mas com foco na segurança em todas as suas esferas. Todos os participantes do Pix possuem camadas extras de segurança, portanto o modelo é considerado bem seguro”, explica.  O especialista elenca que, inicialmente, os cuidados são os mesmos que todos já devem ter hoje com o acesso aos dados bancários. “Nunca forneça senhas para terceiros, desconfiar dos pedidos de troca de senhas, pois de uma maneira geral, os aplicativos do banco não solicitam essa mudança”, elenca.

As transferências bancárias no Brasil ocorrem, tradicionalmente, entre contas da mesma instituição ou entre contas de instituições diferentes (TED e DOC). O Pix é mais uma opção disponível à população que convive com os tipos tradicionais. O que difere é que com o Pix, não é necessário saber onde a outra pessoa tem conta. A transferência pode ser feita, por exemplo, de um telefone na lista de contatos, usando a Chave Pix. O sistema está disponível para todos os clientes das 734 instituições cadastradas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments